Como planejar sua gestão em 2017

gestao-de-tempo-aprenda-como-planejar-a-sua-rotina-1000x640

O ano que passou foi um atropelo para grande parte dos gestores. Sobre isso não há dúvidas. Mas, apesar dos pesares, você decidiu manter uma atitude positiva e iniciar o novo ano com o pé direito, fazendo o seu plano de gestão para 2017. Ótimo!

Agora, a grande questão é: será que, desta vez, seus objetivos gerenciais vão mesmo se realizar?

Talvez você ainda não saiba, mas no planejamento gerencial existem algumas armadilhas ocultas. Elas são como uma poça lamacenta que te mantém atolado, atrasam seus resultados e frustram seus esforços, causando muita angústia e ansiedade.

E se, ao invés de ficar patinando por mais um ano, você iniciasse 2017 com o pé direto nos seus objetivos? (Sim. Você leu corretamente “pé DIRETO nos seus objetivos”)

Quando o assunto é planejar, não precisamos reinventar a roda. As duas ações gerenciais inevitáveis e imprescindíveis do planejamento são: estabelecer metas e determinar métodos. Porém, é nas entrelinhas destas ações que surgem as piores armadilhas. Na hora de planejar suas ações gerenciais, fique atento para não ficar atolado nos seguintes pontos:

Cada um com os seus problemas

A primeira armadilha gerencial que você pode evitar é acreditar que todos sabem o que deve ser feito. Você ficaria chocado ao descobrir a quantidade de funcionários que trabalham sem ter metas claras ou saber suas prioridades de rotina.

Nas empresas, 67% dos funcionários não sabem o que se espera deles no trabalho. Em alguns casos, isso acontece simplesmente porque o gerente não informou as metas para a equipe. Mas, noutros casos, as pessoas desconhecem as metas porque elas realmente não existem!

As metas nada mais são do que os problemas que a sua área ou a sua empresa precisa resolver para contribuir com a satisfação das partes interessadas. Procure esses problemas e você vai identificar suas metas gerenciais.

Mas como encontrar esses problemas? Bem, um problema é um resultado indesejável de um processo. Por exemplo: se você gerencia a área de vendas, um resultado indesejável do seu processo é vender pouco. Ou se você gerencia a área de produção, alguns problemas indesejáveis do seu processo são a baixa produtividade e o alto desperdício de materiais.

Como uma meta é um problema, e um problema é um resultado indesejável de um processo, as metas estão sempre nos fins e nunca nos meios. Pense: quais são as finalidades da sua área? É aí que você vai encontrar as suas metas gerenciais.

Estabelecer as metas e comunica-las à sua equipe é a ação mais fundamental do seu planejamento para 2017. Sem isso, seus objetivos para o ano não se realizarão.

Tome cuidado com as boas intenções

Eventualmente, nos treinamentos, eu pergunto aos participantes se eles têm alguma meta na vida. Daí eu costumo receber respostas como: “Ah, tenho sim! Eu quero conquistar a independência financeira” ou “Eu quero ser reconhecido como um profissional de sucesso” e ainda “Minha meta agora é emagrecer”.

Pois bem, apesar desses objetivos serem todos dignos e importantes, eles não são, de fato, metas! Eles são apenas… boas intenções. E onde está a diferença? A diferença entre ter uma meta e ter apenas uma boa intenção está no conteúdo que compõe o enunciado. Então, pra você evitar também essa armadilha, o enunciado da sua meta precisa conter estes 3 componentes: objetivo, valor e prazo. O objetivo é o problema a ser resolvido; o valor é o número e a métrica que definem o alcance do objetivo; e o prazo é a data limite para o alcance do objetivo ou a recorrência em que deve ser alcançado. Por exemplo: vender 200 notebooks por mês.

Sua equipe precisa ter mais do que apenas boas intenções. Quantas boas intenções de início de ano resultam em nada por falta de objetividade, direção e compromisso? Como diz uma célebre frase de Karl Marx: “O caminho do inferno está pavimentado de boas intenções”.

Prepare-se para a jornada

E por falar em caminho, vale lembrar que, além do estabelecimento das metas, o planejamento demanda a determinação dos métodos. Método é uma palavra que se originou do grego e é a soma das palavras Meta e Hodós. Meta significa “resultado a ser atingido” e Hodós significa “caminho”. Portanto, o método pode ser entendido como o “caminho para a meta” ou “o caminho para o resultado”.

O método é também o plano da viagem que nos leva da situação atual pra situação desejada, onde o problema é resolvido. E nessa jornada nós teremos algum tipo de custo, seja um custo financeiro, de trabalho ou de tempo. Assim, uma das grandes armadilhas do planejamento gerencial que você poderá evitar é querer iniciar a jornada, mas sem estar preparado para bancar os custos envolvidos.

Elaborei uma lista de verificação, como se fosse um checklist de viagem, para ajudar você a preparar-se melhor para a jornada e realizar seus objetivos gerenciais em 2017.

  1. Meus funcionários sabem exatamente o que fazer e estão cientes das suas prioridades?
  2. Todos têm os recursos necessários e os equipamentos adequados para desempenhar suas funções?
  3. Eles estão bem treinados para o trabalho?
  4. Reservei na minha agenda tempo suficiente para acompanhar a execução?
  5. Estou preparado para incentivar os acertos e corrigir os erros?

É claro que estabelecer as metas e determinar os métodos não é garantia alguma de sucesso. Porém, sem um planejamento estruturado, suas chances de fracasso são colossais.

Aproveite este momento em que um novo ciclo se inicia para planejar em profundidade suas ações gerenciais. Desejo que você comece o ano novo com o pé DIRETO nos seus objetivos. Muito sucesso em 2017!

Ricardo Mallet

Ricardo Mallet

Graduado em Gestão Empresarial com extensão em Estilo de Gestão e Liderança pela FGV, consultor e palestrante com 25 anos de experiência no mercado de treinamentos. Certificação internacional em Coaching, Mentoring e Holomentoring® do Sistema ISOR®.

Website: http://comoliderar.com

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *