Conheça o maior inimigo das suas metas

Por Ricardo Mallet

Ser livre para desfrutar da vida com saúde e independência financeira. Esse é o sonho de absolutamente todas as pessoas que conheço. Mas, infelizmente, são poucos aqueles que conseguem vencer essa batalha. Para a grande maioria, a luta é diária e o inimigo parece mesmo ser imbatível. Mas, afinal, quem é ele?

O maior inimigo das nossas metas é o abandono. Iniciamos o ano ou um novo ciclo de vida alimentando grandes sonhos para, logo em seguida, simplesmente deixá-los morrer de fome. Precisamos aceitar que quanto mais desafiador for o nosso objetivo, maior será a necessidade de alimentá-lo com uma execução disciplinada. Noutras palavras: a disciplina é o ônus da liberdade.

Sempre quando penso sobre a importância da disciplina na execução para atingir metas desafiadoras, lembro do filme “Um sonho de liberdade” com Tim Robbins e Morgan Freeman. O longa-metragem de 1994 mostra a história de Andy Dufresne, um jovem banqueiro que é injustamente condenado à prisão perpétua por duplo homicídio e que, durante sua estada na prisão, arquiteta e executa um audacioso e disciplinado plano de fuga.

Eu sei que pode até parecer um tanto estranho usar essa analogia, principalmente numa época em que assistimos a tantas prisões de altos executivos no nosso país. Mas esse filme nos oferece uma representação muito clara sobre a importância da execução disciplinada para realizarmos nossos sonhos mais desejados.

A seguir, descrevo 3.5 dicas extraídas do filme para você evitar que suas metas acabem no abandono.

DICA 1: simplifique a rotina

Quando você tem um objetivo audacioso, o primeiro desafio é descomplicar a sua rotina. Isso porque uma rotina caótica é uma ladra de tempo, recurso sempre limitado a 24 horas/dia.

No filme, o protagonista mostra uma impressionante capacidade de organização de suas tarefas diárias e isso resulta claramente numa grande vantagem para a execução do seu plano de fuga.

Se você quer realizar um sonho audacioso, vai precisar liberar tempo e ter energia suficiente para fazer um esforço adicional. A falta desses recursos são, sem dúvida, as causas mais comuns do abandono de uma meta.

DICA 2: acompanhe a execução

Outra falha comum é não formalizar um sistema de acompanhamento do plano. De nada adianta fazer o planejamento mais genial do mundo e depois ficar a mercê  das inúmeras distrações que surgem no meio do caminho. A mente humana é naturalmente dispersa e facilmente atraída por diversões.

Ter foco no acompanhamento da execução é outra característica que fica muito evidente na personalidade de Andy Dufresne. Por exemplo: sua obstinação ao escrever uma carta por semana ao Senado Estadual, durante 6 anos, foi o que garantiu o recebimento de recursos financeiros suficientes para construir uma biblioteca na prisão.

Se você quer atingir uma meta desafiadora, deverá acompanhar a execução pelo tempo que for preciso. A falta de acompanhamento é a expressão máxima do abandono. Fique atento!

 DICA 3: avalie seus esforços

A expressão “trabalhar feito burro” é adequada para representar outro erro comum na execução. É certo que grandes realizações demandam grandes esforços. Mas não podemos esquecer de avaliar constantemente se nossos esforços estão, de fato, gerando os resultados desejados. Caso contrário, estamos apenas fazendo um “trabalho burro”.

Cavar um túnel de fuga usando um pequeno martelo de quebrar pedras é, sem dúvida, um esforço hercúleo. Mas Dufresne só se submeteu a essa tarefa porque avaliou racionalmente quanta pressão e quanto tempo seriam necessários para alcançar seu objetivo.

Se você quer atingir uma meta desafiadora, não abandone a razão. Avalie constantemente os seus esforços.

DICA 3.5: melhore ou mude o plano, caso necessário

E por falar em abandono da razão, vamos lembrar a famosa definição de insanidade que diz “insanidade é fazer sempre a mesma coisa e esperar resultados diferentes”. Assim, ao perceber que os seus esforços não estão gerando os resultados desejados, é hora de melhorar ou mudar o plano.

Na história, apresentaram-se 3 possibilidades de liberdade ao protagonista. A primeira, ser absolvido pelo júri, foi descartada logo de início. A segunda, contar com o depoimento de outro preso sobre sua inocência, foi inviabilizada pela morte da testemunha. Mas Dufresne não se permitiu ficar limitado a nenhuma dessas possibilidades. Nada poderia impedir seu sonho de liberdade.

Se você quer atingir um objetivo difícil, eventualmente precisará estar disposto a abandonar um plano ineficaz. Por isso, melhore ou mude o plano, caso necessário.

Simplificar a rotina, acompanhar a execução, avaliar seus esforços e melhorar o plano. Essas 4 dicas não são ações pontuais e sim uma filosofia de vida que é muito bem representada na história de Andy Dufresne, o banqueiro injustamente condenado que, com sua execução disciplinada, realiza o seu sonho de liberdade.

E se quiser buscar inspiração para implementar uma rotina com mais disciplina e atingir suas metas, vale a pena ver ou rever o filme.

Fica a dica! Um grande abraço.

 

 

Ricardo Mallet

Ricardo Mallet

Graduado em Gestão Empresarial com extensão em Estilo de Gestão e Liderança pela FGV, consultor e palestrante com 25 anos de experiência no mercado de treinamentos. Certificação internacional em Coaching, Mentoring e Holomentoring® do Sistema ISOR®.

Website: http://comoliderar.com

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *